sábado, 25 de outubro de 2008

NO ECO DAS MANHÃS CLARAS


No eco das manhãs claras

No eco das manhãs claras
acorda um suave amanhecer
em cada canto da casa...

Na plenitude das tardes
libertam-se em sopros de vento
palavras de sol em brasa...


E no silêncio das noites ?
Como enganar o tempo
se cada hora me arrasa?


Maripa

Imagem de Sergey K.

16 comentários:

  1. Ah, minha amiga... Por que a noite nos mostra tão descobertos?

    Mais um belíssimo poema!
    Seus versos são profundos, sentidos e coerentes... Gosto demais!


    Beijos de luz e um final de semana especialmente feliz!!!

    ResponderEliminar
  2. Belíssimo, sobretudo esta frase: como enganar o tempo se cada hora me arrasa....
    beijinhos

    ResponderEliminar
  3. menina Maripa

    tao belo, com tanto significado.

    E no silêncio das noites ?
    Como enganar o tempo
    se cada hora me arrasa?

    este final... tão verdadeiro....

    beij

    ResponderEliminar
  4. Hoje quero dormir no teu mar. O meu, hoje, não me acaricia e o vento não me conta murmurios da madrugada.
    Hoje quero ficar assim, encostado à saudade, deixando que dos meus olhos se libertem novos rios que correm para o teu mar.
    Há dias assim...
    Beijinhos com muita ternura

    ResponderEliminar
  5. Talvez eu seja a única entre as amigas que aqui vieram que gostam do silêncio da noite. Ele não me arrasa. Pelo contrário. Conta-me histórias até já esquecidas e faz-me pensar que posso retornar a elas...um dia.

    beijos Maripa e boa noite. Agora com apenas duas horas de diferença entre nós.

    E esta música é para dançar de rostinho colado quando a luz da cobertura acender, novamente.

    ResponderEliminar
  6. O sonho de hoje voa no amanhã
    Esta terra prende-me os pés
    Um fruto maduro é repasto de pássaro
    Um caminho feito de lés a lés

    Taça de finos aromas
    Uma súplica presa na brisa da tarde
    Na morada dos teus maiores desejos
    Há um coração que por ti arde



    Bom domingo



    Mágico beijo

    ResponderEliminar
  7. Pede ao nosso mar que ele te cantará uma canção ...das que só ele sabe cantar!
    Lindo o teu poema.
    Linda a foto.
    Jinhos mil

    ResponderEliminar
  8. *
    é no eco
    do marulho,
    trazido pelo vento norte,
    que entra em mim
    o sol de Outono
    como advento da noite
    abrasando o meu sofrimento
    ,
    obrigado pelo teu poema, amiga,
    ,
    conchinhas,
    ,
    *

    ResponderEliminar
  9. O percurso de um dia cheio de ecos.
    Belo o teu poema, Maripa.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  10. não sei que fazer nas noites que quero tornar dia. porque nelas as horas passam devagar. as memórias atropelam o pensar. queria eu dormir sem acordar. sonhar que estamos lado a lado. que entre nós temos o dia aconchegado. e fazer das horas das noites o nosso lugar. onde para sempre será tempo de te amar.


    um beijo, maripa

    ResponderEliminar
  11. Como adivinhaste que hoje precisava de uma música que me fizesse acalmar e deixar os pensamentos chegarem ao céu? Que os anjos me ouçam e cuidem dos anjos da Terra.

    boa noite Maripa

    ResponderEliminar
  12. O tempo e a noite, algozes ! Mas há sempre uma nova manhã! Beijos!

    ResponderEliminar
  13. adoro os silencios
    preciso deles para viver
    beijinhos

    ResponderEliminar
  14. Tenho uma netinha linda que se chama Manhã Clara, é gêmea do amado João Gabriel.[eles tem 3 aninhos e meio]
    Manhã Clara tem a pureza da manhã e a claridade do sol.

    lindo dia querida flor
    beijos

    ResponderEliminar


"Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” disse Antoine de Saint-Exupéry.

Grata pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dar-me um pouco do seu tempo, deixando um pouco de si através da sua mensagem.