terça-feira, 4 de novembro de 2008

FADO PARA UM AMOR AUSENTE



Fado para um amor ausente

Meu amor disse que eu tinha
Uns olhos como gaivotas
E uma boca onde começa
O mar de todas as rotas


Assim falou meu amor
Assim falou ele um dia
E desde então fico à espera
Que seja com dizia


Sei que ele um dia virá
Assim muito de repente
Como se o mar e o vento
Nascessem dentro da gente


Poema de Manuel Alegre

Fado cantado por José Afonso

com música de António Portugal

7 comentários:

  1. Amo o fado, me deixa melancólica, triste mas com muita paz no coração.
    Ouço Mariza que canta o fado como um mantra, uma deusa.
    Fado não se explica, sente-se.
    Eu sinto.

    lindo dia flor querida
    beijos

    ResponderEliminar
  2. Maripa. Belissima escolha. Um sonho de poema num poema de sonho.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Nossa...que lindo!
    Estou encanta com a leveza dessa poesia.

    Que seu dia seja repleto de dádivas!

    Um abraço carinhoso

    ResponderEliminar
  4. É muito bonito o poema!
    Mas, prefiro ler os seus versos...Aprecio demais o seu jeito de escrever!

    Beijos de luz e o meu sincero carinho...

    ResponderEliminar
  5. *
    alegre, zeca, portugal,
    as minhas gaivotas e maripa,
    ,
    que mais me faltará ?
    ,
    conchinhas, deixo,
    ,
    *

    ResponderEliminar
  6. Talvez não venha de repente
    Mas o amor vira um dia
    Pois a gaivota o sabe
    a rota esta traçada

    a foto esta linda
    beijos

    ResponderEliminar


"Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” disse Antoine de Saint-Exupéry.

Grata pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dar-me um pouco do seu tempo, deixando um pouco de si através da sua mensagem.