sábado, 8 de novembro de 2008

QUANDO ESVAZIO O RIO DA TRISTEZA



Quando esvazio o rio da tristeza
sou outra.
Sou outra em mim
a distrair a vida
nas margens das noites longas.


Quando esvazio o rio da tristeza
sou outra.
Mulher - palhaço
funambulista na corda da lua
ilusionista no palco da terra
malabarista do sol e do ar.


Quando esvazio o rio da tristeza
Sou outra.
Trapezista no circo das horas
e
domadora do mar.



Maripa

Imagem de Joanne Mcgee

15 comentários:

  1. Querida Maripa:

    Não sei quantas outras poderiam surgir do esvaziamento da tristeza, mas todas, certamente, tem em comum a sensibilidade que te é propria.
    Beijos carinhosos, cheios de saudade

    ResponderEliminar
  2. Comovente este poema. Quando esvazio o rio da tristeza liberto as emoções. Beijinhos e feliz fim de semana.

    ResponderEliminar
  3. transformaste a tristeza em beleza!! beleza poética - denúncia versificada e bem sentida!


    beijinhos grandes

    ResponderEliminar
  4. E para onde corre este teu rio da tristeza, Maripa? Irá se juntar ao Mondego? Já, lá, há tantas, minha amiga!!!

    beijos do lado de cá da grande margem.

    ResponderEliminar
  5. menina

    que bela maneira de esvaziar a tristeza.

    "domadora do mar"

    gostei!

    beijo de maresia

    ResponderEliminar
  6. Cada poema teu me mostra a mesma pessoa. Sensível, forte,... domadora do mar!
    E fico feliz por te ter encontrado.
    Um beijo, Maripa.

    ResponderEliminar
  7. É bom deitar a tristeza para trás das costas.
    Consegue-se domar o mar.

    Beijoca

    ResponderEliminar
  8. "Domadora do mar"...

    Entre o sorriso do impossível, a razão da verdade da libertação...

    Só tu...navegadora realista deste mosaico de escrita...onde aporto...

    Beijinho.

    ResponderEliminar
  9. Minha querida achei este poema muito triste.
    Mas tens razão somos malabaristas da vida ,
    rindo para os que amamos não sofrerem e muitas vezes chorando
    no silencio da noite para ganhar forças para cruzar um novo dia

    mil beijinhos ternos na tua carinha

    ResponderEliminar
  10. Quando estás triste o mundo também fica sentido, assim afasta essa dor para que possamos juntos dar risada da vida e agradecer ao céu o dom que tens,nos fazer feliz!
    Te gosto imenso minha flor querida
    lindo dia,
    beijos

    ResponderEliminar
  11. Quantas outras, ou só uma, afinal...

    Beijinho*

    ResponderEliminar
  12. LINDO este teu poema!!!!
    Tu trapezista no circo das horas e domadora do mar!!!!!!
    Beijos
    Eu e o Mar
    Tu e o Mar

    ResponderEliminar
  13. *
    senti
    este . . . poema sentido,
    ,
    conchinhas
    ,
    *

    ResponderEliminar


"Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” disse Antoine de Saint-Exupéry.

Grata pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dar-me um pouco do seu tempo, deixando um pouco de si através da sua mensagem.