quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

ALÉM DA TERRA, ALÉM DO CÉU



Além da Terra, além do Céu,
no trampolim do sem-fim das estrelas,
no rastro dos astros,
na magnólia das nebulosas,
além, muito além do sistema solar,
até onde alcançam o pensamento e o coração
vamos!
vamos conjugar o verbo fundamental essencial,
o verbo transcendente, acima das gramáticas
e do medo e da moeda e da política,
o verbo sempreamar,
o verbo pluriamar,
razão de ser e de viver.


Carlos Drummond de Andrade



Um abraço enorme e o carinho da Maripa

sábado, 26 de dezembro de 2009

CANÇÃO DE EMBALAR




Dorme meu menino a estrela d'alva
Já a procurei e não a vi
Se ela não vier de madrugada
Outra que eu souber será p'ra ti

Outra que eu souber na noite escura
Sobre o teu sorriso de encantar
Ouvirás cantando nas alturas
Trovas e cantigas de embalar

Trovas e cantigas muito belas
Afina a garganta meu cantor
Quando a luz se apaga nas janelas
Perde a estrela d'alva o seu fulgor

Perde a estrela d'alva pequenina
Se outra não vier para a render
Dorme qu'inda a noite é uma menina
Deixa-a vir também adormecer



Zeca Afonso
Nasceu dia 17 o meu lindo e muito querido netinho ([o décimo] que vou poder embalar...

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

QUANDO UM HOMEM QUISER



Tu que dormes a noite na calçada de relento
Numa cama de chuva com lençóis feitos de vento
Tu que tens o Natal da solidão, do sofrimento
És meu irmão amigo
És meu irmão

E tu que dormes só no pesadelo do ciúme
Numa cama de raiva com lençóis feitos de lume
E sofres o Natal da solidão sem um queixume
És meu irmão amigo
És meu irmão

Natal é em Dezembro
Mas em Maio pode ser
Natal é em Setembro
É quando um homem quiser
Natal é quando nasce uma vida a amanhecer
Natal é sempre o fruto que há no ventre da Mulher

Tu que inventas ternura e brinquedos para dar
Tu que inventas bonecas e combóios de luar
E mentes ao teu filho por não os poderes comprar
És meu irmão amigo
És meu irmão

E tu que vês na montra a tua fome que eu não sei
Fatias de tristeza em cada alegre bolo-rei
Pões um sabor amargo em cada doce que eu comprei
És meu amigo irmão
És meu irmão

Natal é em Dezembro
Mas em Maio pode ser
Natal é em Setembro
É quando um homem quiser
Natal é quando nasce uma vida a amanhecer
Natal é sempre o fruto que há no ventre da Mulher


Ary dos Santos

Pintura de Josefa de Óbidos


"Natal é quando nasce uma vida a amanhecer"...

Falta muito pouco para voltar a ser avó e é com ternura [e alguma ansiedade] que espero este amanhecer...


NATAL FELIZ
QUE O DEUS MENINO NOS ABENÇOE A TODOS
E DÊ MUITA LUZ, PAZ, HARMONIA E AMOR NO CORAÇÃO.



[Blog em descanso...]

segunda-feira, 30 de novembro de 2009

TU ERAS TAMBÉM UMA PEQUENA FOLHA



Tu eras também uma pequena folha
que tremia no meu peito.
O vento da vida pôs-te ali.
A princípio não te vi: não soube
que ias comigo,
até que as tuas raízes
atravessaram o meu peito,
se uniram aos fios do meu sangue,
falaram pela minha boca,
floresceram comigo.

Pablo Neruda

Imagem : Net


quarta-feira, 25 de novembro de 2009

CONVITE



Não sou a areia
onde se desenha um par de asas
ou grades diante de uma janela.
Não sou apenas a pedra que rola
nas marés do mundo,
em cada praia renascendo outra.
Sou a orelha encostada na concha
da vida, sou construção e desmoronamento,
servo e senhor, e sou
mistério.



A quatro mãos escrevendo este roteiro
para o palco de meu tempo:
o meu destino e eu.
Nem sempre estamos afinados,
nem sempre nos levamos
a sério.



Lya Luft


Imagem: Airi Pung

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

DÁ-ME A TUA MÃO


Dá-me a tua mão.

Deixa que a minha solidão
prolongue mais a tua -
para aqui os dois de mãos dadas
nas noites estreladas,
a ver os fantasmas a dançar na lua.


Dá-me a tua mão, companheira,
até ao Abismo da Ternura Derradeira.





José Gomes Ferreira


20 de novembro de 1954 - 20 de Novembro de 2009

55 anos de estar juntos esta tarde se cumpriram. O amor e o carinho estão sempre presentes neste, já longo, caminho partilhado.

domingo, 15 de novembro de 2009

EM CADA NOITE ME APAGO


Em cada noite me apago e
me perco num labirinto de frases silenciosas.

A cada respiro,
enigmas por decifrar e
perguntas saídas do esquecimento
fazem ninho no beiral do meu peito.

E é de um chão atapetado de musgo e heras
que vejo o mundo fugir à velocidade de um suspiro.

Em cada dia me acendo
no fruto maduro das manhãs e
no deus que mata a sede do meu grito.

E é quase morrendo
que voo de sonho em sonho e
me sonho cotovia, asas de primavera,
pássaro leve cor do infinito.

Em cada noite me apago.
Em cada dia me acendo.


Maripa

Imagem Helen Breznik

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

CREIO NOS ANJOS





Creio nos anjos que andam pelo mundo,
Creio na Deusa com olhos de diamantes,
Creio em amores lunares com piano ao fundo,
Creio nas lendas, nas fadas,nos atlantes,

Creio num engenho que falta mais fecundo
De harmonizar as partes dissonantes,
Creio que tudo é eterno num segundo,
Creio num céu futuro que houve dantes,

Creio nos deuses de um astral mais puro,
Na flor humilde que se encosta ao muro,
Creio na carne que enfeitiça o além,

Creio no incrível, nas coisas assombrosas,
Na ocupação do mundo pelas rosas,
Creio que o Amor tem asas de ouro. Ámen.



Natália Correia

Imagem Nadya Kulagina


sexta-feira, 6 de novembro de 2009

ESGOTEI O MEU MAL


Esgotei o meu mal, agora
Queria tudo esquecer, tudo abandonar
Caminhar pela noite fora
Num barco em pleno mar.


Mergulhar as mãos nas ondas escuras
Até que elas fossem essas mãos
Solitárias e puras
Que eu sonhei ter.


Sophia de Mello Breyner

Imagem da Net

sábado, 31 de outubro de 2009

DIZ-ME SE NA ÁGUA



diz-me se
na água reconheces o rumor
adormecido nos búzios

diz-me se o outono tem
a ver com as algas
com a incerteza das folhas

e se há um sentido oculto
no rodar das estações

diz-me se
toda a imagem é engano
ou filha enjeitada
do fogo

diz-me se é certo
que o tempo
é o único olhar
prolongado nos dias

se a vida é o avesso da vida
e se há morte


José Tolentino de Mendonça

Imagem da Net

terça-feira, 27 de outubro de 2009

O BEIJO



Peço-te mar:
traz-me do azul profundo o segredo e o mistério das nereides,
traz-me das marés a flor de sal para temperar o mundo,
traz-me paz [um raminho de oliveira no bico de uma gaivota].
Oh mar!
Traz-me ondas de vida debruadas de espuma branca,
naus de velas redondas verdes de esperança,
traz-me cânticos de luz.
Cantarei para ti salmos em sol poente
e enquanto o eco inocente do canto torna a mim,
a brisa esvoaçante, num hábil bater de asas,
traz-me o beijo que, meigamente, sempre te pedi
em noites de amar em quarto crescente.


Maripa


Imagem da Net

sábado, 24 de outubro de 2009

CHOVE


Lágrimas redondas dizem adeus aos olhares de Outubro.

Chove
no coração dos pássaros,
na fragilidade perfumada das flores,
nas árvores grávidas de frutos outonais.
Chove.
E na humedecida natureza
brilha a deusa- mãe de todas as cores.

Algures,
lágrimas redondas deslizam no espelho das horas
e afogam, sem dó, fantasias sonhadas, vividas ao rubro.

Maripa

Imagem de Don Paulson

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

SOBRE O POEMA


Um poema cresce inseguramente
na confusão da carne,
talvez ainda sem palavras, só ferocidade e gosto,
talvez como sangue
ou sombra de sangue pelos canais do ser.

Fora existe o mundo. Fora a esplêndida violência
ou os bagos de uva de onde nascem
as raízes minúsculas do sol.
Fora, os corpos genuínos e inalteráveis
do nosso amor,
os rios, a grande paz exterior das coisas,
as folhas dormindo o silêncio,
as sementes à beira do vento,
- a hora teatral da posse.
E o poema cresce tomando tudo em seu regaço.

E já nenhum poder destrói o poema.
Insustentável, único,
invade as órbitas, a face amorfa das paredes,
a miséria dos minutos,
a força sustida das coisas,
a redonda e livre harmonia do mundo.

- Embaixo o instrumento perplexo ignora
a espinha do mistério.

- E o poema faz-se contra o tempo e a carne.


Herberto Helder

Imagem de Josette Mercier

sábado, 17 de outubro de 2009

FOR SENTIMENTAL REASONS






Rod Stewart [ álbum Stardust ] 2004

e

For sentimental reasons [William Best - Deek Watson] 1945


SO BEAUTIFUL !

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

ORAÇÃO


Oração não é pedir. É um anseio de alma. É uma admissão diária das próprias fraquezas. É melhor na oração ter um coração sem palavras do que palavras sem coração.


Mahatma Gandhi
Imagem da Net

sábado, 10 de outubro de 2009

O SONHO É A PONTE



O sonho é a ponte
que vai do infinito ao infinito!
É a medida sem comparação,
é a presença do que se imagina.


Sonhar talvez só seja
reconhecer o que já nem a alma sinta
nem o próprio pensamento veja.


Ana Hatherly

Imagem da Net

sábado, 3 de outubro de 2009

DEIXO VOAR O XAILE


Deixo voar o xaile onde agasalho
a minha nudez [in]terna
e ausento-me para ir mais além.

Serro grades, oxidadas pelo tempo,
enleadas em trepadeiras de afectos.
Cerro olhos.
Olhos-cisterna de águas em movimento,
olhos-fonte de risos sempre correntes,
olhos-rio de ecos brancos a acenar.

Mais além, onde o silêncio é mais azul
e o céu se pinta de vermelho,
afogo a minha ausência num campo de malmequeres.
E
na tarde líquida que se esvai
incendeio o mar,
esqueço-me de mim
e
de voltar.

Maripa

Imagem de Kim Nelson

terça-feira, 29 de setembro de 2009

UM SOPRO


Um sopro
uma flor
uma pétala a cair
no chão de um dia vago.

Um meio sorriso
um sorriso quase nuvem
rasgado em fragmentos de espanto.


Um olhar veludo
um olhar quase poema
impregnado dos silêncios mornos da noite.

E em cada amanhecer um sopro de nostalgia.


Maripa

terça-feira, 22 de setembro de 2009

OUTONO



Hei-de partir antes dos ventos altos.
Nos braços levo uma escrita tardia
com cheiro a frutos secos em terraços.
Grinaldas de lilazes no olhar.
Nos ombros o matiz bordado nas florestas
pelas mulheres magníficas do verão.


Encurtados aqui os trabalhos do sol
soltarei os gritos de pobres e de bichos
contra a insânia maior que a invernia.


De pronto partirei que um outro povo
aguarda o tempo novo além do capricórnio.

Licínia Quitério

http://sitiopoema.blogspot.com/

Imagem de Irene Alexeeva

sábado, 19 de setembro de 2009

PEQUENA ELEGIA CHAMADA DOMINGO

O domingo era uma coisa pequena.
Uma coisa tão pequena
que cabia inteirinha nos teus olhos.
Nas tuas mãos estavam os montes e os rios
e as nuvens.
Mas as rosas,
as rosas estavam na tua boca.

Hoje os montes e os rios
e as nuvens
não vêm nas tuas mãos.
(Se ao menos elas viessem
sem montes e sem nuvens
e sem rios...)
O domingo está apenas nos meus olhos
e é grande.
Os montes estão distantes e ocultam
os rios e as nuvens
e as rosas.

Eugénio de Andrade


segunda-feira, 14 de setembro de 2009

MORANGO E CHOCOLATE




O tempo olha-me de soslaio
enquanto tropeço numa noite de insónia
e pensamento em queda livre.

Pensamento guloso, pincelado com geleia e mel,
a navegar no mar imaginário que em mim vive.

Rasgo o silêncio e atravesso a madrugada
[ coração bate-que-bate ]
ao som da voz de Jacques Brel.

Olho o tempo de soslaio num doce quebranto,
cálice de Porto na mão
e boca lambuzada de morango e chocolate.




Maripa

terça-feira, 8 de setembro de 2009

LEMBRO




Lembro-me de ser sereia de olhos líquidos,
olhos aquário com peixes nadando devagar.

Lembro o canto suave
[ chamando o luar grávido de agosto ]
e de dançar na praia das tuas mãos macias.

Lembro o toque, o deslizar das mãos
no corpo vestido de algas e delícias.

Lembro as primícias de mil e uma noites
de astros acesos a transbordar de apelos.

No vagar dos sonhos serei sereia indefinidamente.



Maripa

Imagem de Ed Org





sexta-feira, 31 de julho de 2009

EM JEITO DE PAUSA




A janela para o meu mar continua aberta a olhar as ondas que escorrem no tempo das marés.




Espero voltar em breve...

Maripa

Imagem de Barbara Stewart

segunda-feira, 27 de julho de 2009

O VENTO QUER SABER


O vento quer saber
porque persigo a luz de olhos fechados
e asas de silêncio.
Quer saber
se a máscara vestida me despe da cinza
dos dias em que atravesso o deserto.

Quer saber? Nem eu sei...

Pergunte-me em dias brancos à luz de um claro amanhecer.
Em dias de ser gaivota ouço o cantar das marés e
o azul do mar aquieta-me a cor dos pensamentos.

Decerto, vou saber-lhe responder [?].

Maripa

Imagem da Net


sexta-feira, 24 de julho de 2009

"JESUSALÉM"

[...]

"Conheci meu pai antes de mim mesmo. Sou, assim, um pouco ele. Sem presença de mãe, o peito ossudo de Silvestre Vitalício foi meu único colo, sua velha camisa foi meu lenço, seu ombro magro foi minha almofada. Um monocórdico ressonar foi o meu único canto de embalar.
Durante anos, meu pai foi uma alma doce, seus braços davam a volta à Terra e neles moravam os mais antigos sossegos. Mesmo sendo ele a estranha e imprevisível criatura, eu via no velho Silvestre o único sabedor de verdades, o solitário adivinhador de presságios.
Hoje, eu sei: meu pai tinha perdido os Nortes. Ele vislumbrava coisas que mais ninguém reconhecia. Essas aparições aconteciam, sobretudo, nas grandes ventanias que em Setembro, varrem as savanas. O vento era, para Silvestre, uma dança de fantasmas."

[...]
Pequeno excerto de Jesusalém,
o livro mais recente de Mia Couto.


"A vida é demasiado preciosa para ser esbanjada num mundo desencantado", diz um protagonista deste romance.

A prosa poética, tão pessoal, deste escritor moçambicano ajuda, certamente, a reencantar este nosso mundo.

sexta-feira, 10 de julho de 2009

SOSSEGA CORAÇÃO


Sossega coração! Não desesperes!
Talvez um dia, para além dos dias,
encontres o que queres porque o queres.
Então, livre de falsas nostalgias,
atingirás a perfeição dos seres.
Sossega, coração, contudo! Dorme!
O sossego não quer razão nem causa.
Quer só a noite plácida e enorme.
A grande, universal, solene pausa
antes que tudo em tudo se transforme.


Fernando Pessoa


Imagem - Escultura "Coração independente" de Joana Vasconcelos

terça-feira, 7 de julho de 2009

CASA BRANCA


Na tarde,
da macieza do espelho
transluz uma imagem sombra.

Uma sombra arredia,
fugitiva do espelho,
do tempo,
de mim.

E na noite longa de estrelas invisíveis
a sombra sonhadora
inventa uma casa branca
[escondida entre a folhagem]
onde habitam e brincam anjos-luz.

No dia amanhecido
a sombra dissolve-se na paisagem.


Maripa

Imagem Daniel Merriam

sábado, 4 de julho de 2009

ÀCAPELLA





A Capela de Nossa Senhora da Vitória [ sec. XIV ] situada no centro histórico de Coimbra foi restaurada para dar lugar à Casa de Fados àCapella, onde se ouvem a Guitarra e o Canto de Coimbra com qualidade reconhecida.

àCapella comemora este mês de Julho o sexto aniversário.

Parabéns e felicidades !


" O fado ( ou canção ) de Coimbra é tanto mais de Coimbra quanto mais de toda a parte, tanto mais nosso quanto mais de todos."

Manuel Alegre

quarta-feira, 1 de julho de 2009

AS MÃOS DE CADA DIA


Os olhos de ver a luz
querem-se largos
e limpos.

Grandes e poderosas
devem ser as asas
de ganhar o céu.

As mãos são mãos de
tanta coisa que não
se podem ter de uma
maneira; são precisas
outras mãos em
cada dia.


Vasco Pontes

Imagem da Net

sexta-feira, 26 de junho de 2009

ENQUANTO O HOJE É HOJE


Enquanto o hoje é hoje, a
o dealbar do dia,
sobrevoo o coração da vida.

Neste enquanto, pausado e fluido,
dançam em mim imagens de jardins
alindados com flores de aloendro.

Milhares de flores
preenchidas de sol
a ondear ao vento.
Cor branca
vermelha
rosa
em marés de verão,
em marés de alumbramento.

Na penumbra do hoje, já sem as flores do aloendro,
os olhos turbam-se
e a melancolia regressa num crescendo...


Maripa

Imagem da Net


segunda-feira, 22 de junho de 2009

SE EU E TU


Se eu fosse peixe e tu fosses mar
nadava dentro de ti
e vivia no teu corpo.

Se eu fosse pássaro e tu fosses ar
cortava-te como uma flecha
sem nunca te magoar.

Se eu fosse sol e tu fosses neve
em rio te transformava
e havias de ver o mar.

Se eu fosse chuva e tu fosses terra
cresciam de um dia para o outro
as flores na tua pele.

Se eu fosse vento e tu fosses vela
levava-te a ver o mundo
por sobre as ondas do mar.


J.Pedro Mésseder

Imagem de D.Kustanovich

terça-feira, 16 de junho de 2009

ÉRAMOS PRIMAVERA


Não são os sonhos das noites do verão
- que tarda em chegar -
que me fazem debruçar do varandim do tempo.

São as memórias de um Agosto com gosto de mar,
com beijos salgados e rubores de rosto.

Éramos primavera.
Toda a música do sol,
toda a música das estrelas
era nossa.

Demos as mãos e enfeitámos o mundo.

[Ah! Entardece... Sinto o mar à nossa espera.]


Maripa

domingo, 14 de junho de 2009

CRISTALIZAÇÕES

1.
Com palavras amo.

2.
Inclina-te como a rosa
só quando o vento passe.

3.
Despe-te
como o orvalho
na concha da manhã.

4.
Ama
como o rio sobe os últimos degraus
ao encontro do seu leito.

5.
Como podemos florir
ao peso de tanta luz?

6.
Estou de passagem: ama o efémero.

7.
Onde espero morrer
será amanhã ainda?


Eugénio de Andrade


Espero, amanhã,recomeçar as visitas aos meus amigos queridos. Bem-hajam pela vossa dedicação e carinho. Um abraço enorme da Maripa.

quarta-feira, 27 de maio de 2009

CANÇÃO MÍNIMA


No mistério do sem fim
equilibra-se um planeta.

E no planeta,um jardim,
e no jardim, um canteiro;
no canteiro uma violeta
e sobre ela, o dia inteiro,

entre o planeta e o sem-fim
a asa de uma borboleta.

Cecília Meireles


Porque me fogem e me faltam as palavras...deixo flores, um abraço enorme e o meu carinho.
Estou melhorzinha. Bem-hajam pela vossa ternura.

Maripa