sexta-feira, 2 de janeiro de 2009

HORA A HORA



Quero escrever e as palavras fogem-me
brincam comigo às escondidas
viram-se do avesso
e soltam vogais
onde tropeço.


E hora a hora o mar fica mais longe.
A maresia não me afaga
e ao meu chamamento
só o eco responde.


Hora a hora a luz em mim
é sombra incerta e vaga.


As palavras, o mar e a luz,
encontro-os onde?


Quero escrever e as palavras fogem-me...

Maripa

Imagem da Net

15 comentários:

  1. Querida Maripa, belíssimo poema... ADOREI Amiga... Um grande abraço de carinho,
    Fernandinha

    ResponderEliminar
  2. Querida Maripa,
    se o mar foge, escute o silêncio porque as ondas de todos os oceanos vibram pelas veias do nosso corpo. Somos filhos do mar e nele nos fundimos.
    Beijinhos muitos para si...

    ResponderEliminar
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  4. São assim, as palavras...

    Desejo
    um
    BOM ANO

    para si... perto mar...


    Bjs

    ResponderEliminar
  5. Dentro de si
    é onde está todo o porvir.
    Amor, Luz, Ser

    ResponderEliminar
  6. As palavras voltam. Por ti e pela música maravilhosa que tens aqui. Elas voltam, querida amiga.

    boa noite Maripa.

    ResponderEliminar
  7. elas bem tentam escapar mas... ficam sempre...
    no papel destinadas a ser belas...


    um imenso beijão próspero!

    ResponderEliminar
  8. Às vezes, as páginas em branco 'piscam-nos o olho'... ;) *

    ResponderEliminar
  9. Deixa-me dizer-te um segredo...

    ...quantas vezes, sinto essa fuga fora de mim???

    ...quantas vezes o delírio do papel em branco, é febre doentia, por falta de traços...ditos palavras...???

    ...quantas vezes amiga?

    Mas, é o infortúnio do poeta, como tu, na procura incessante do belo do nosso gosto. E, nesse aspecto, deixa-me também segredar-te, quão belo foi este momento de leitura, onde retrataste de forma fiél e doce...esse "quase trauma" de querer e não escrever.

    Se textos houve, que fiquei extasiado , alguns da tua "lavra"...este teve o dom de me chamar como apelo ao mais sublime "desenho" de um "não poder".

    Obrigado, mil vezes obrigado, por esta partilha, deste momento.

    Beijo muito carinhoso de admiração e estima.

    ResponderEliminar
  10. Hoje vim pra ouvir a música. A menina dorme ao lado mas não acordará com os acordes.

    Boa noite Maripa.

    Há correio

    ResponderEliminar
  11. “Reencarnação”

    Foi em tempos… há muito tempo
    Um tempo longínquo que já não sei…
    Recordadas no momento de um pensamento
    Pergaminhos da memória que furtei

    http://pensamanzas.blogspot.com/

    Uma boa semana com um abraço amigo…

    ResponderEliminar
  12. Palavras ditas de forma tão consensual... a fuga que certamente não preenche.

    Abçs moça...






    Novo Dogma:
    ceGo...


    dogMas...
    dos atos, fatos e mitos...

    http://do-gmas.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  13. as palavras nao fogem...elas estão aqui!

    bonito poema!

    beij

    ResponderEliminar


"Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” disse Antoine de Saint-Exupéry.

Grata pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dar-me um pouco do seu tempo, deixando um pouco de si através da sua mensagem.