terça-feira, 29 de setembro de 2009

UM SOPRO


Um sopro
uma flor
uma pétala a cair
no chão de um dia vago.

Um meio sorriso
um sorriso quase nuvem
rasgado em fragmentos de espanto.


Um olhar veludo
um olhar quase poema
impregnado dos silêncios mornos da noite.

E em cada amanhecer um sopro de nostalgia.


Maripa

10 comentários:

  1. Olá querida Maripa. Como sempre um poema cheio de sensibilidade. O Amanhecer é um momento cheio de encanto, apesar dessa nostalgia que também sinto. Mas quando o primeiro raio de Sol trespassa o nevoeiro, o nosso coração é iluminado por uma esperança e nasce um leve sorriso.
    Deixo aqui o meu sorriso para si.
    beijinhos*

    ResponderEliminar
  2. Olá Maripa

    Mais um belo poema cheio de ternura.

    Parabéns.

    Lisa

    ResponderEliminar
  3. Maripa Querida, que maravilha que me deixou ficar com uma paz enorme, neste começo da noite!
    Jinhos muitos
    Eu e o Mar
    Tu e o Mar

    ResponderEliminar
  4. __________________________________

    Talvez, nem tanto nostalgia, mas, clareza quanto às ilusões do dia a dia...

    Belo poema! Reflexivo...


    Beijos no coração, doce e querida amiga!

    _______________________________

    ResponderEliminar
  5. Olá Maripa

    Teria muito gosto que aceitasse o "miminho" que tenho no meu blog.

    É o que diz:"Aprovado! Seu blog é criativo".

    É seu!

    Bjs.

    Lisa

    ResponderEliminar
  6. Em cada poema sempre o mesmo sopro de sensibilidade e de doçura.
    Um beijo, Maripa.

    ResponderEliminar
  7. "Um olhar veludo
    Um olhar quase poema"

    Lindo...belo...tão interior!

    Beijinho amigo

    ResponderEliminar
  8. Lindo amiga! Eu sou pura nostalgia, talvez por estar sempre longe de minhas raízes... Um beijo!

    ResponderEliminar
  9. Querida Maripa,

    que bela imagem - um sorriso quase nuvem. Fugaz, passageiro e transformador. Sem igual.

    Beijos

    Odilon

    ResponderEliminar


"Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” disse Antoine de Saint-Exupéry.

Grata pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dar-me um pouco do seu tempo, deixando um pouco de si através da sua mensagem.