sábado, 3 de outubro de 2009

DEIXO VOAR O XAILE


Deixo voar o xaile onde agasalho
a minha nudez [in]terna
e ausento-me para ir mais além.

Serro grades, oxidadas pelo tempo,
enleadas em trepadeiras de afectos.
Cerro olhos.
Olhos-cisterna de águas em movimento,
olhos-fonte de risos sempre correntes,
olhos-rio de ecos brancos a acenar.

Mais além, onde o silêncio é mais azul
e o céu se pinta de vermelho,
afogo a minha ausência num campo de malmequeres.
E
na tarde líquida que se esvai
incendeio o mar,
esqueço-me de mim
e
de voltar.

Maripa

Imagem de Kim Nelson

13 comentários:

  1. QUERIDA MARIPA, MARAVILHOSO POEMA... TOCOU A MINHA ALMA AMIGA... ABRAÇOS DE CARINHO E TERNURA,
    FERNANDINHA

    ResponderEliminar
  2. poema e foto em completa sintonia.

    muito bom.

    bom fim de semana!

    ResponderEliminar
  3. . querida Maripa .

    . arrisco.me a dizer que para mim este é o mais belo poema que leio de Si .

    . lind.issimo em tudo . tudo .

    . no encadeamento perfeito .

    . saio . de alma cheia .

    . um beijo sentido e um bom fim de semana .

    ResponderEliminar
  4. Olá Maripa

    Belo poema.
    Verdadeiro. Toca "interiormente".
    Parabéns!

    Bjs.

    Lisa

    ResponderEliminar
  5. Claro que não voltas... depois de incendiar o mar, estão à tua espera para te prender como incendiária... eheheh...
    Desculpa a brincadeira, mas não resisti...
    Mais a sério, este teu poema é magnífico. Tirando as "grades, oxidadas pelo tempo"... o teu poema é de uma juventude digna de registo. Gostei imenso, querida amiga.
    Beijos.

    ResponderEliminar
  6. Maripa,

    limito-me a ler, indefinidamente, as tuas palavras. E lembro-me... sempre... de voltar.

    Beijos

    Odilon

    ResponderEliminar
  7. Minha doce querida,
    estou sem tempo e triste por não poder fazer o que mais gosto, brincar com as palavras.
    Estou bem de saúde e em paz, obrigada pelo carinho.
    Belíssimo poema assim como o sentimento que trazes no coração, mas não deixes de voltar, carecemos de tua presença.
    lindos sejam teus dias
    beijos carinhosos

    ResponderEliminar
  8. Incendiar o mar com a beleza das palavras.
    Tão belo o teu poema, Maripa!
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  9. Que encantador poema,num delicioso espaço...

    Beijo e meu rastooooooooooooooo

    ResponderEliminar
  10. Querida amiga, o poema é lindo e se perder nas tardes (noites e manhãs) é viver a poesia! Um beijo!

    ResponderEliminar
  11. vim reler e reter a frase:

    E
    na tarde líquida que se esvai
    incendeio o mar.

    bom fim de semana!

    ResponderEliminar
  12. HOJE faço uma homenagem à minha sobrinha Tânia do Bookcrossing, falecida em Março passado:

    Minha querida, um “grande amigo” recente, também da blogosfera, mas já real, em Abril passado, já depois da tua partida para sempre da minha vida, fez o percurso “Caminhos de Santiago” ( conheceu-te através de mim, do meu sofrimento, da partilha de emoções) e, juntamente com os seus companheiros de caminhada rezaram por ti e fizeram uma oferta pela tua alma, deixando no local um símbolo e umas florzinhas do campo.
    LINDO, não é?
    Aqui estão duas imagens desse “momento”.
    Faço-te homenagem nos meus dois blogues, neste "teu dia".

    ResponderEliminar


"Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” disse Antoine de Saint-Exupéry.

Grata pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dar-me um pouco do seu tempo, deixando um pouco de si através da sua mensagem.