sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

QUANDO UM HOMEM QUISER



Tu que dormes a noite na calçada de relento
Numa cama de chuva com lençóis feitos de vento
Tu que tens o Natal da solidão, do sofrimento
És meu irmão amigo
És meu irmão

E tu que dormes só no pesadelo do ciúme
Numa cama de raiva com lençóis feitos de lume
E sofres o Natal da solidão sem um queixume
És meu irmão amigo
És meu irmão

Natal é em Dezembro
Mas em Maio pode ser
Natal é em Setembro
É quando um homem quiser
Natal é quando nasce uma vida a amanhecer
Natal é sempre o fruto que há no ventre da Mulher

Tu que inventas ternura e brinquedos para dar
Tu que inventas bonecas e combóios de luar
E mentes ao teu filho por não os poderes comprar
És meu irmão amigo
És meu irmão

E tu que vês na montra a tua fome que eu não sei
Fatias de tristeza em cada alegre bolo-rei
Pões um sabor amargo em cada doce que eu comprei
És meu amigo irmão
És meu irmão

Natal é em Dezembro
Mas em Maio pode ser
Natal é em Setembro
É quando um homem quiser
Natal é quando nasce uma vida a amanhecer
Natal é sempre o fruto que há no ventre da Mulher


Ary dos Santos

Pintura de Josefa de Óbidos


"Natal é quando nasce uma vida a amanhecer"...

Falta muito pouco para voltar a ser avó e é com ternura [e alguma ansiedade] que espero este amanhecer...


NATAL FELIZ
QUE O DEUS MENINO NOS ABENÇOE A TODOS
E DÊ MUITA LUZ, PAZ, HARMONIA E AMOR NO CORAÇÃO.



[Blog em descanso...]

2 comentários:

  1. Olá Maripa

    Senti paz, quando aqui entrei!

    Natal será sempre que quisermos!

    Silent Night...uma música eterna!

    Festas Felizes!

    Um beijo enorme com amizade e carinho.

    Lisa

    ResponderEliminar
  2. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar


"Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” disse Antoine de Saint-Exupéry.

Grata pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dar-me um pouco do seu tempo, deixando um pouco de si através da sua mensagem.