quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

FRUTO MADURO



Enquanto as rosas dormem eu
fruto maduro, casca enrugada
de contornos imprecisos,
sonho com o mar,
com o equinócio da primavera
a atingir o silêncio do jardim
e a fazer germinar os dias lisos.

Esqueço poemas de inverno
com flores de neve a derreter.

Enquanto as rosas dormem
esqueço que ao envelhecer perdi o medo de mim.


Maripa


Imagem: C. Ellger

6 comentários:

  1. Também estou cheia de saudades da Primavera e dos dias amenos!
    Deixo um beijinho*
    ~univerosquestionáveis~

    ResponderEliminar
  2. Olá Maripa

    O percurso da vida escrito de uma forma linda, enternecedora.

    Adorei!

    Bjs.

    Lisa

    ResponderEliminar
  3. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  4. Quando o carinho é sincero e o sabemos demonstrar (e tu sabes tão bem) o fruto, ainda que maduro pelo tempo, compara-se ao veludo das rosas.

    Te gosto. És a minha amiga tricana.

    ResponderEliminar
  5. Gosto de te ler, da forma singela como brincas com as palavras e constróis poesias tão belas como esta.

    Bjinhos e sorrisos

    ResponderEliminar


"Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” disse Antoine de Saint-Exupéry.

Grata pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dar-me um pouco do seu tempo, deixando um pouco de si através da sua mensagem.