quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

SE EU NÃO TE AMAR MAIS



Se eu não te amar mais me
Caia o mar nos ombros
Me caia
Este silêncio pelos ossos dentro
Me cegue os olhos esta sombra
Me cerre
Esta noite num escuro mais profundo
Do que a chuva de ti de mãos tão leves
A figueira do meu sangue se emudeça
De pássaros à espera dos teus passos
De outra voz por sobre a minha
Morta
E as ruas do teu corpo eu desaprenda
Como eu desaprendi os dedos que me tocam
E se eu não te amar mais me caia a casa
De costa no teu peito como o vento


António Lobo Antunes

Imagem da Net


22 comentários:

  1. conhecia este poema do Lobo Antunes do livrinho de cantigas.

    gosto.

    beij

    ResponderEliminar
  2. Conheço pouco da poesia de António Lobo Antunes. Gostei deste poema. Vou tentar ler mais.

    Um beijo, Maripa.

    ResponderEliminar
  3. Salvé Querida Maripa!
    Peço perdão por ainda não te vindo agradecer a am´vel e sempre carinhosa visita, mas desde que o computador durante aqueles 15 dias avariou, fosse pelo servidor...ou whatever...nunca mais tive descanso. Os electrodomésticos "pifaram"; depois fiquei adoentada, mas já estou boa - talvez pela exaustão do trabalho que tive com o blog (novo) e post que dei por mim, sem dormir durante 2 noites e mal alimentada...mas como sou obstinada, lá consegui. Depois a minha mãe que já estava hospializada há 15 dias precisamente, tivemos de a internar uma casa de repouso, não porque não por mim, mas porque ela precisava e cuidados médicos, embora não esteja acamada. as pernas ao mínimo esforço rebentam e deitam água..parece uma torneira...nunca vi nada assim., e por vezes também perde a noção e começa a falar como se tivessem pessoas estranhas ali...mesmo com uma empregada, eu não dava conta do recado, maia a mais sem carro...
    Como esteve deitada muito tempo lá o hospital sem se mexer, agora custa-lhe a andar...só em cadeira de rodas e a minha casa é relativamente pequena e sózinha não conseguiria deitá-la e tirá-la depois?! Olha Maripa tormento vê-la e pela impotência de querer fazer algo e não poder. Vai de certo acabar os dias num ambiente - embora razoável - mas não é o lar nem a família - eu e os 2 netos...agora já com o bisneto...pelo menos ainda o conheceu.
    Por isso, tenho vindo ás prestações até aqui visitar os amigos queridos.

    Quanto ao poema do Lobo Antunes acho-o muito bonito,embora ele tenha melhores, para o meu gosto.
    Que o mar não me/nos traga mais emoções pelo menos destas...
    E eu que sonhei que o mar estava a invadir-me a casa e eu senti que já não podia mais fugir?! curioso, não? - veja o que está a acontecer...
    água, quer dizer sempre emoção e quando é mar...as coisas são bem mais fortes.
    Deixo um beijo grande cheio de carinho e gratidão.

    Sempre...
    Mariz

    ESPAVO!

    ResponderEliminar
  4. ...fabuloso!

    Entre o luar e o crepúsculo, o sono e a lucidez, o silêncio do mundo e o barulho de ti, há uma voz muda que percorre a aridez do teu pensamento... Sentes?... É o Pio da Cotovia!

    ResponderEliminar
  5. Lindíssimo!

    Estou viajando hoje para aproveitar o feriado de carnaval.

    Quando retornar venho lhe visitar!
    Um beijo carinhoso

    ResponderEliminar
  6. Um excelente momento aqui encontro, que me embalou...

    Perfeito...

    Saudações poéticas
    Luis

    ResponderEliminar
  7. tão lindo este amar eterno
    beijos de amizade

    ResponderEliminar
  8. Querida Maripa, este poema dava uma música. O seu blogue não estará a fazer um aninho?
    Obrigada pelo beijinho que deixou nos universos quetionáveis, sinto que me entende. Estou a precisar de muita luz. Bom fim de semana.
    beijinhos querida

    ResponderEliminar
  9. Não conhecia, gostei.

    Beijinho, bom fim-de-semana*

    ResponderEliminar
  10. É lindo o poema. E este piano...Ah, quando eu não ouvir mais o outro piano cá em casa ! E falta tão pouco. Uma semana! Como será?

    boa noite Maripa

    ResponderEliminar
  11. Querida Maripa,
    Um belo poema.
    Muito bem escolhido!

    Um beijo com muito carinho!

    ResponderEliminar
  12. É sempre de sonho o silêncio pelos ossos dentro, que nos recupera António Lobo Antunes.

    Um beijo amigo.

    Sempre,
    ____ p.

    ResponderEliminar
  13. *
    amiga,
    ,
    postar,
    lobo antunes,
    é sinónimo de inteligencia,
    ,
    Esquecer uma mulher inteligente custa um número incalculável de mulheres estúpidas,
    ,
    in-Lobo Antunes,
    ,
    inteligentes conchinhas, deixo,
    ,
    *

    ResponderEliminar
  14. Neste encontro de palavras, levou-te o pensamento forte, para o mar de outros pensamentos.

    Partilhar, significa também criar, inovar...oferecer!

    Obrigado pelo dom. Beijinho.

    ResponderEliminar
  15. Excelente Carnaval repleto de animação, aromas, cor e muita festa.

    http://desabafos-solitarios.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  16. O meu pensamento é gaivota
    Entre as tempestades e as pedras negras
    Meço o tempo pela chegada da Lua
    Sou homem nu a que um deus dita regras

    Boa semana


    Bom carnaval


    Doce beijo

    ResponderEliminar
  17. Gosto do que o A. L. Antunes escreve, mas gostava de saber porque fala tanto de figueiras...
    Será trauma de infância?
    Obrigado pela partilha, beijo.

    ResponderEliminar
  18. Maravilhoso!!!!

    lindos dias flor querida
    beijos

    ResponderEliminar
  19. Agradeço pela sua amabilidade deixada expressa no meu blog. Como não deveria de ser, devo deixar aqui a minha simpatia pelo contéudo no seu blog que me atraiu, como um ima atrai uma agulha, assim foi em relação ao seu blog. Desejo-lhe muitas felicidades.
    Saudações amigáveis
    Persida Silva

    ResponderEliminar


"Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” disse Antoine de Saint-Exupéry.

Grata pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dar-me um pouco do seu tempo, deixando um pouco de si através da sua mensagem.