segunda-feira, 30 de novembro de 2009

TU ERAS TAMBÉM UMA PEQUENA FOLHA



Tu eras também uma pequena folha
que tremia no meu peito.
O vento da vida pôs-te ali.
A princípio não te vi: não soube
que ias comigo,
até que as tuas raízes
atravessaram o meu peito,
se uniram aos fios do meu sangue,
falaram pela minha boca,
floresceram comigo.

Pablo Neruda

Imagem : Net


6 comentários:

  1. Lindíssimo poema. Grata por dar a conhecer.
    muitos beijinhos de paz*

    ResponderEliminar
  2. Olá Maripa

    Soberbo poema!

    Obrigada pela partilha.

    Senti o "nascer e amadurecer" do amor.

    Bjs.

    Lisa

    ResponderEliminar
  3. Bem que eu poderia, só hoje, ser essa folha da imagem e me deixar levar. Será que atravessaria o oceano?

    boa noite Maripa

    ResponderEliminar
  4. Não conhecia este escelente poema do Pablo Neruda.
    Gosto deste estilo, que numa linguagem simples diz coisas profundas, que escapam a muitos dos leitores menos atentos.
    Obrigado pela partilha, querida amiga.
    Beijos.

    ResponderEliminar
  5. *
    flutuo
    nas palavras,
    de pablo neruda,
    ,
    conchinhas floridas, deixo,
    ,
    *

    ResponderEliminar


"Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” disse Antoine de Saint-Exupéry.

Grata pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dar-me um pouco do seu tempo, deixando um pouco de si através da sua mensagem.